Site UOL captura de tela
Reportagem do site UOL em que a Associação Brasileira de Ciclomobilidade é citada. @Reprodução da Internet

O portal de notícias publicou uma reportagem relatando as condições de trabalho dos controladores de tráfego, chamados ‘bandeirinhas’, e a ABC esclarece que desenvolve projetos para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Citada na matéria ‘Bandeirinhas’ da ciclovia trabalham 9 horas sob sol e sem pausa para comer, publicada no UOL no dia 12/10/2021 e atualizada em 27 de outubro de 2021, a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CICLOMOBILIDADE (ABC), enfatizou em nota de esclarecimento, entre outros argumentos que, vale destacar que o valor pago para o participante que atuar como bandeirinha em quatro domingos, por exemplo, de R$ 400, é superior ao que o governo federal oferece de auxílio emergencial, que não passa de R$ 375. Em tempos de desemprego recorde, agravado pela pandemia, é uma contribuição a se considerar. Veja a nota na íntegra:

1 – Para começar, a própria imagem que ilustra a reportagem derruba a denúncia de que os controladores trabalham sob sol. A fotografia confirma que os bandeirinhas tem à sua disposição guarda-sol, além de capa de chuva e blusa do patrocinador. Atualmente são 460 bandeirinhas que controlam a circulação nas ciclofaixas, fora os 27 agentes de apoio ao trânsito, 96 montadores, 11 líderes de percurso e 60 bikers para garantir a ida dos controladores até o banheiro.

2 – No caso dos bandeirinhas, não há de fato um horário determinado para refeição oferecida pela Associação, mas eles podem se alimentar, sentados e protegidos sob o guarda-sol, durante o tempo todo da ativação, com exceção de 30 minutos antes do fechamento que são retirados para a desmontagem.

3 – A Associação Brasileira de Ciclomobilidade exerce sua atividade dirigida para a área do lazer, sustentabilidade, saúde e convivência ambiental há décadas. É uma associação civil para fins não econômicos, lucrativos, políticos ou religiosos, com sede na Avenida Pedroso de Morais, 517, 3º andar, conj. 33, no bairro de Pinheiros, na Capital.  Entre suas finalidades está “gestões perante os governos Municipal, Estadual e Federal, em processos de implementação da Política de Mobilidade Urbana, a construção de ciclovias, ciclofaixas e demais vias sustentáveis, objetivando a inclusão do transporte por bicicleta, a Ciclomobilidade, favorecendo a sustentabilidade ambiental, gestão participativa e equidade na locomoção e uso do espaço público.”

4 – Por último, vale destacar que o valor pago para o participante que atuar como bandeirinha em quatro domingos, por exemplo, de R$ 400, é superior ao que o governo federal oferece de auxílio emergencial, que não passa de R$ 375. Em tempos de desemprego recorde, agravado pela pandemia, é uma contribuição a se considerar. Como mostra a própria reportagem, Cláudia não abre mão do trabalho extra há nove anos e admite que a condição de trabalho oferecida a ela hoje é melhor do que recebia do patrocinador anterior da ciclofaixa. Em tempo, ao final da atividade, cada voluntário recebe depósito na sua conta corrente, correspondente a cada ativação.

A Associação Brasileira de Ciclomobilidade desenvolve projetos para melhorar a qualidade de vida das pessoas e, no mesmo sentido, vamos priorizar as condições para cada colaborador na Ciclofaixa de Lazer da cidade de São Paulo.

Veja mais no UOL, acessando: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2021/10/12/bandeirinhas-da-ciclovia-trabalham-9-h-no-sol-e-sem-pausa-para-comer.htm

Fechar Menu